Polícia abre inquérito para investigar participante do BBB 13 por maus-tratos

Domini
O cachorro que Dhomini diz ter torturado já morreu. O caso, não. Para o delegado Luziano Severino Carvalho, da Delegacia de Repressão aos Crimes Contra o Meio Ambiente de Goiás, isso não livra o participante do Big Brother de uma acusação de maus-tratos contra animais. Por ter contado a história em rede nacional, Dhomini pode ainda responder por crime de incitação à violência – e, para isso, não faz diferença o caso ser verídico ou uma bravata do peão.

“Ele disse que o cão teria morrido cinco anos depois da agressão. Se isso de fato ocorreu, esse crime pode até estar prescrito. Mas vamos investigar para verificar se essa informação é verdadeira. De qualquer forma, ele poderá responder por incitação”, afirma Luziano.

Verdade ou não, ao declarar que arrancou todos os dentes do seu cachorro com um machado, Dhomini cometeu um erro que lhe custará duas coisas: a antipatia dos milhares que não admitem maus-tratos a animais e um inquérito, instaurado na tarde desta sexta-feira (17).

Em uma conversa aparentemente boba, na última sexta-feira, Dhomini conta suas desventuras com um cão da raça fila. Entre risadas, revela o que fez para que o animal parasse de mordê-lo. “Eu fui lá e arranquei todos os dentes dele com um machado”, disse ele, que mudou o nome do cachorro. “Aí, ficou meu amigo, ‘o banguela’. Ele ria para mim só com uns caquinhos de dente”.

Quem ouvia a história dentro da casa não riu. E quem estava de fora, atento ao que acontece lá, também não.

A Promotora de Justiça Christiane Monnerat, que atua na área de proteção e defesa dos animais do Rio de Janeiro, pediu que o Ministério Público de Goiás investigue a história contada pelo campeão do ‘BBB 3?.

Quem está à frente do caso é o promotor de Justiça Juliano de Barros Araújo. Para ele, a Rede Globo deveria explicar durante a exibição do programa que condena a prática declarada pelo participante do BBB.

“A declaração do participante do programa é extremamente preocupante. Declarações como essa, em um programa de grande audiência, podem levar por terra todo trabalho que fazemos de conscientização pela guarda responsável do animal. Seria de extrema importância que houvesse uma retratação pública por parte da emissora, afirmando que a postura dele não condiz com a do programa”, afirma Juliano.

Publicado por

Redacción

Redatores: Edgar Encisco y Oscar Lopez

Comentarios